Páginas

Follow by Email

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Feliz Natal e Boas Festas




Desejos de Feliz Natal e de um Próspero Ano Novo!

sábado, 1 de novembro de 2008

Ubuntu Intrepid

O Ubuntu Intrepid começou por me dar umas quantas dores de cabeça, primeiro o ISO do CD Live não arrancava o PC mas arrancava noutros PC'S, Em seguida através do upgrade através do Alternate, não conseguia gravar CD's, isto na versão Beta, porém na versão final o problema continua a manter-se, não consigo gravar CD's, mas consigo gravar DVD+RW.

A forma que utilizei para fazer o upgrade, foi a velha modificação da sources.list, mudando "hardy" para "intrepid", e fazer o apt-get update e apt-get upgrade.

Por enquanto os CD's vão ficar arrumados na prateleira, pois que vou ter que me entreter com os DVD+RW.

domingo, 12 de outubro de 2008

Linux WebCam Sweex

Hoje resolvi testar uma WebCam Sweex no Linux, já que no Ubuntu 8.04 esta por muitas voltas que lhe desse, não a conseguia por a funcionar, resolvi testá-la com o Ubuntu Intrepid Ibex, no sentido de veriricar se a dita funcionava. E é que funciona mesmo tanto o Micro como a Cam, Hip, Hip, Hurra!!!!!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Ubuntu Intrepid



O Ubuntu Intrepid 8.10, apesar de estar em Beta, e de alguns Bugs por aqui e por ali como é usual nestas coisas, corre numa perfeição.

Isto apesar de alguns fenómenos curiosos que foi o não reconhecimento à primeira do écrã LG, mas após ter editado o xorg.conf, e mais umas manobras sobre a GeForce, este foi reconhecido imediatamente.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Upgrade para o Intrepid - gravador de CD não funciona

Instalar, fazer upgrades das versões do Ubuntu, testar e retestar, descobrir porque é que determinado programa funciona numa versão e não noutra, tem sido algo de útil para aprender a mexer no Linux, pelo menos de uma forma relativamente segura. Porém, como sei que com persistência e pesquisa se consegue resolver as coisas no Linux, em vez de deitar o sistema abaixo como fiz quando foi do Upgrade do Dapper para o Edgy, resolvi percorrer os Fóruns e os portais do Linux na tentativa de averiguar se alguém poderia pelo menos dar uma dica.

O Problema: O Intrepid não gravava CD's isto é não fechava a sessão, daí que os CD's fossem inúteis e bons para o arquivo 13.

Ora, como não utilizo só o programa nativo, Pois que na maior parte das vezes utilizo o K3b e este dizia-me que era «erro não manipulado» fiquei desconfiado que alguma coisa se passava e que precisava do nome do programa nativo de gravação. Este, é o Nautilus, porém precisei que mo lembrassem, e desde já agradeço ao Vanderlei Busnardo Filho pela dica, de vreinstalar o Nautilus.

Esta dica do nome, foi o suficiente para eu ir pesquisar no Gestor de Pacotes Synaptic o que é que faltava ou não faltava. O certo é que realmente faltava, faltava uma library de seu nome «libnautilusburn2.20-cil». Resultado, marcado e instalado, foi testado com a gravação de um DVD+RW, ficando a funcionar a 100%.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

O Gavinhos foi-se.....

O colega e amigo Gavinhos foi-se,faleceu. Talvez não existam palavras suficientes para se elogiar este colega e amigo de profissão. No blogue , podem-se ler as palavras que poderiam ser ditas neste blogue já foram descritas descritas no quintacativa. Acrescento porém, que para além disso o Prof. Gavinhos viverá sempre na nossa memória.


À família enlutada presto as meus mais sinceros sentimentos.

http://quintacativa.blogs.sapo.pt

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

terça-feira, 16 de setembro de 2008

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Jogos

Ao começar a ver os Jogos Olímpicos de Pequim 2008, começámos por ter a sensação que muitos dos nossos atletas, foram escolhidos pelas suas marcas obtidas em eventos internacionais, se assim não fosse, eles nunca teriam ido.

Porém, alguns dos exemplos ficaram bem marcados, como o caso de Gustavo Lima que terminou em 4º lugar na Vela, e que chorando veio dizer que iria abandonar a prática da modalidade. A questão reside porquê? Penso que esta atitude tenha sido tomada a quente, porém, penso que ele deveria pensar em continuar a modalidade, pois que nos próximos Jogos em 2012 é muito bem capaz de conseguir obter uma das ditas medalhas ambicionadas.

Quanto ao desaire da Naide Gomes, fez-me em certa medida pensar no atleta Fernando Mamede, que em alturas de grande tensão não conseguia enfrentar a mesma, e apesar de ter o recorde mundial da distância, não conseguiu ultrapassar a barreira psicológica dos Jogos Olímpicos.

Esperemos que os e as atletas que vão competir em canoagem consigam melhores feitos, mas temos sempre que esperar para ver, a concorrência é grande aparecendo por vezes alguém que com mais sangue frio consegue obter resultados melhor que os nossos.


quinta-feira, 17 de julho de 2008

Esmeralda

Quem observa de fora pela primeira vez o caso da Esmeralda poderá ser tentado a ficar com a noção que os doutos pedopsiquiatras terão a verdade absoluta. Além disso, a opinião de uma educadora de infância que se dá ao trabalho de dar dicas sobre os desenhos da família que a Esmeralda realiza, também não me parece ser a situação mais idónea e correcta. Por muita experiência que os educadores tenham, não podem fazer anállises selvagens, pois que o «Teste do Desenho da Família», é uma prova que deve somente ser utilizada em contexto de psicologia clínica, e não através de análises ao sabor do gosto de cada um. Convém ainda ressalvar, que o que está errado nesta história toda, é que a Esmeralda deveria ter sido imediatamente entregue ao pai biológico, pois que tal foi a decisão do tribunal na altura.

Tentar que após 6 anos sobre uma sentença, esta se transforme numa outra coisa que não a primeira, é estar a ir contra toda a dignidade do ser humano.

É preciso não esquecer, que em Portugal muitas crianças foram educadas pelos seus «padrinhos» e não pelos pais, mas aqui existia nessa altura a figura de padrinhos no Código Civil. Actualmente até parece que ela desapareceu.

Gostava de ver a Esmeralda entregue ao pai biológico de uma vez por todas, pois que não existe necessidade alguma de estar a dar medicações de Risperdal, Concertas e outros medicamentos, para uma Hiperactividade e Desatenção que na realidade só tem que ser dados porque a Esmeralda sente que inconsciente está a ser usada e abusada.

E deveria ser nesta situação do inconsciente que todos deveriam começar a trabalhar. A Esmeralda/Ana Filipa está a começar a criar dentro de si uma raiva surda contra os pais afectivos e ao mesmo tempo contra a própria sociedade, pois que esta a deveria proteger e não protege.

quarta-feira, 9 de abril de 2008

CIF-CJ e casos práticos

Ao analisarem-se alguns casos que estavam ao abrigo do Regime Educativo Especial, torna-se quase impraticável a inclusão neste regime de alguns casos particulares, como seja um caso em que os factores de atenção se encontram alterados devido a causas neurológicas, que etiologicamente ainda não foram explicitadas. Este caso, em que um aluno de 12 anos, apresenta uma dispersão de 33% da atenção, associado a alterações perceptivas, bem como uma provável défice cognitivo médio, parece não se integrar nas novas regras do Ensino Especial.

Digamos desta forma, o aluno apresenta uma Debilidade Mental Média, a qual pode ter origem em factores de atenção que não são estabilizáveis e que interferem com a aprendizagem e a memória.

Será que estes casos não estão contemplados, ou serão remetidos para as situações de Alta Frequência e de Baixa Intensidade?

sexta-feira, 28 de março de 2008

Descubra o Erro
















E como se não bastasse uma;

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Educação Especial

A Educação Especial sempre teve uma existência difícil para não dizer complicada. Três vertentes sempre estiveram presentes neste domínio, a pedagógica, a médica e a psicológica. Do cruzamento destas três dimensões tenha surgido a Educação Especial.
Fazendo referência à situação médica, temos que diversas alterações do foro da medicina, têm como apanágio alterações a nível da aprendizagem, as quais como é lógico são observadas e avalisadas pela psicologia. Porém, existem outros factores e situações, que sem uma componente médica distinta são observadas pela psicologia, e não o serão ainda pela medicina, porque ainda existem algumas deficiências tecnológicas (alto custo e processos invasivos) para serem devidamente certificadas pela medicina, só que a medicina aceita os diagnósticos psicológicos como verdadeiros e reais, pois que se a criança for sujeita a uma ressonância magnética as alterações serão bem visíveis na imagiologia.
A saída de uma nova lei de Educação Especial baseada numa Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF), e a sua derivada ICF-CY – Classificação Internacional de Funcionalidade – crianças e jovens, levantou imediatamente celeuma, porque esta classificação pode abranger tudo e todo o tipo de deficiência, mas também e consoante as normas para a sua utilização pode retirar centenas de crianças e jovens da dita «Educação Especial». No entanto, o trabalho da psicologia sempre teve como objectivo fundamental, tornar o sujeito, sofrendo de uma deficiência [física ou mental] o mais autónomo e independente possível. Isto é, se o sujeito pode angariar o seu sustento, qual é a razão para ele viver à conta de um subsídio eternamente, pois que não se tornou autónomo?
Ora, a CIF ao apontar para a funcionalidade do sujeito aponta nesse sentido, tornar o sujeito o mais autónomo possível, daí que ao olhar-se para as diversas funções classificadas da CIF, sejamos levados a pensar num currículo funcional de forma que o sujeito passe de um sujeito deficiente a um sujeito autónomo e produtivo.
Limites existem, e vários caminhos são possíveis para a realização deste tipo de autonomização. Mas uma reflexão profunda deveria ser feita e não somente no aspecto da inclusividade, pois que existem outros factores técnicos necessários a estes mecanismos de escolarização. A preocupação em fazer sair uma nova lei, para destronar outra, que nunca foi aplicada no seu todo, pois que, e se reflectirmos, a dita lei tinha limitações bastante acentuadas, na sua aplicabilidade a nível do secundário, devido a falta de regulamentação, tendo a actual lei o mesmo tipo de problemas, a sua aplicabilidade a nível do secundário, e o não terem contemplado os Cursos Profissionais, Cursos de Educação e Formação, visto que os alunos do D.L.319/91 eram muitas vezes encaminhados para essa situação, leva-nos a pensar que a nova lei, não vem servir os objectivos propostos, e que por muitas regulamentações que saiam sobre a dita cuja, mais ano menos ano, talvez dez anos, venha a ser feita uma nova lei sobre a educação especial, que realmente consigne e promova a autonomia e a sustentabilidade do «deficiente».

sábado, 2 de fevereiro de 2008

O poeta Elias

A internet tem destas coisas, fui parar ao Blog http://instantesclarissa2006.blogspot.com/2007/02/instantes-ci.html#7654189672111390166
por acaso, pois que andava à procura de um poeta popular de Mértola, que se chamava Elias.

O poeta Elias de Mértola existiu e eu conheci-o em 1991, conheci-o de uma forma um tanto esquisita, pois que abordou-me numa das ruas de Mértola depois de eu ter ido beber uma bica e ter conversado com colegas de trabalho. O Elias nesse dia estava bastante bebido, mas resolveu «obrigar-me» a ouvir algumas das suas poesias. No dia seguinte, já sem vapores do alcóol veio pedir-me desculpa se me tinha aborrecido. Hoje ao ler isto, lembrei-me dele, e das suas artes. Já que para além de poeta também pintava murais naifs nas paredes de alguns cafés da vila.
Nunca consegui adquirir nenhum livro dele, mas ele editou as suas poesias em livros de autor, em edicções reduzidas.
Só que em Mértola, no início dos anos 90, o Elias era uma figura típica da terra, mas que fugia dela para se refugiar em Lisboa, voltanto ao seu poiso para retemperar energias, e provavelmente para se inspirar para escrever mais umas quantas poesias.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A nova Educação Especial

Comecei a ouvir falar num novo Decreto sobre a Educação Especial corria o ano de 2001, pois que foi nesse mesmo ano que saíram os D.L. 6/2001 e o 7/2001, os quais já consignavam que os alunos que tivessem Necessidades Educativas Especiais, teriam que ter um Programa Educativo Individual integrado no Projecto Educativo de Turma. Porém, e de acordo com o D. L. 319/91 o Plano Educativo Individual era mais um documento, que os professores do aluno podiam seguir ou não seguir. No entanto esse mesmo decreto tinha uma coisa boa, aluno que apresentasse Dificuldades Específicas de Aprendizagem teria direito a turma reduzida.

Com este novo Decreto, acabaram-se as turmas reduzidas, talvez seja caso para pensar, que o número de retenções irá aumentar significativamente. Porém, uma outra medida surgiu a avaliação de desempenho dos professores, quantas mais negativas eles derem pior será o desempenho.

De facto, se um professor tiver o azar de apanhar 4 alunos com DEA, e que sejam mesmo perturbadores, vai-se ver aflito para conseguir transmitir o mínimo de conhecimentos aos alunos, não podendo prestar como é óbvio a atenção a todos os alunos que por qualquer razão ficarem para trás na aprendizagem.

Temos que esperar para ver, mas para já, seria bem melhor repensar certas medidas, em vez de por as turmas todas a 30 alunos.